Com o crescimento do e-commerce, EUA podem precisar de mais 1 bilhão de ft² de espaço de armazém até 2025

Highlights:

 

• Com mais pessoas comprando on-line, a demanda por imóveis industriais nos Estados Unidos poderá atingir 1 bilhão de ft² adicionais até 2025, segundo a empresa de serviços imobiliários comerciais JLL.

 

• O boom dos fulfillment centers ocorre no mesmo momento em que o setor imobiliário de varejo tradicional sofre com o fechamento de lojas e a queda abrupta no aluguel desse tipo de imóvel. Empresas buscam negociar novas locações. 

 

 

e-commerceDe acordo com matéria publicada no Portal da CNBC, com as vendas on-line crescendo significativamente durante a pandemia de coronavírus, os EUA precisarão de mais armazéns para armazenar o grande volume de caixas e lidar com esses pedidos.

 

Isolados em suas casas, e com muitas lojas físicas temporariamente fechadas, os consumidores recorrem ao e-commerce para comprar de tudo, de mantimentos frescos a novos móveis para casa e brinquedos para animais de estimação. E mesmo depois que a pandemia desaparecer, espera-se que a tendência de compra pela internet seja mantida.

 

Assim, com mais pessoas clicando em “comprar” ao invés de se aventurarem em shoppings e centros comerciais, a demanda por imóveis industriais poderá atingir mais 1 bilhão de ft² até 2025, de acordo com um novo relatório da empresa americana de serviços imobiliários comerciais JLL.

 

Segundo a CNBC, a JLL. disse que antes da crise da Covid-19, cerca de 35% de sua atividade de locação industrial estava relacionada ao comércio eletrônico. Agora, esse percentual chegou a quase 50%. “O primeiro trimestre de 2020 foi nosso maior trimestre de locação em três anos”, disse Craig Meyer, presidente da divisão industrial da JLL nas Américas. “Estamos vendo mais pressão relacionada às empresas de e-commerce do que às férias típicas para atender à demanda dos consumidores”.

 

Ele mencionou uma situação recente em que uma empresa relacionada ao varejo solicitou a locação de um espaço de armazém de 1,2 milhão de ft² em Delaware e se mudou quase imediatamente para começar a atender pedidos de itens novos. Parte do armazém incluía um componente de armazenamento em câmaras frias, para alimentos que precisam ser mantidos refrigerados, explicou Meyer. “Isso é inédito”, disse ele. “O contrato foi assinado e eles se mudaram em menos de 30 dias.” Normalmente, os negócios duram nove meses, desde a assinatura do contrato até a mudança, segundo Meyer.

 

Ainda de acordo com a CNBC, a JLL está projetando que os EUA precisem de mais 100 milhões de f² de instalações de armazenamento a frio para acompanhar a demanda do consumidor e as tendências de vendas.

 

Para colocar em perspectiva a quantidade de espaço extra em armazém necessária, a Prologis, uma empresa de investimentos imobiliários que também é o maior proprietário da Amazon, estimou que as empresas de comércio eletrônico vão precisar de 1,2 milhão de ft² de espaço de distribuição para cada US$ 1 bilhão em vendas.

 

Enquanto isso, conforme destaca a CNBC, a empresa eMarketer está prevendo que as vendas de comércio eletrônico nos EUA representem cerca de 14,5% do total das vendas no varejo, ou US $ 709,78 bilhões, somente neste ano. Até o final de 2024, esse percentual aumentará para 18,1% de todas as vendas no varejo, com as vendas on-line ultrapassando US $ 1 trilhão pela primeira vez, afirmou o documento.

 

O setor imobiliário industrial é o “queridinho” do setor imobiliário comercial hoje, disse Meyer. Trata-se de um setor que tem uma perspectiva melhor do que alguns de seus pares – incluindo escritórios, varejo e hotéis, onde as vagas estão crescendo cada vez mais e há uma queda significativa nos novos negócios.

 

No varejo, especificamente, o fechamento de lojas está se acumulando e está a caminho de quebrar um recorde este ano, pressionando os proprietários a encontrar novos usos para os espaços vazios. Os aluguéis também estão sob pressão, pois as empresas que procuram manter suas lojas abertas estão trabalhando para renegociar negócios, na esperança de alavancar a desordem do mercado a seu favor. Segundo a CNBC, o ex-executivo da loja de departamentos Jan Kniffen previu que um terço dos shoppings da América desaparecerá até 2021. Isso também pode ser um golpe para as cidades que dependem de seus shoppings para fins fiscais.

 

Demo WMS - Mobile 4

 

Conforme relata a matéria da CNBC, em alguns casos, shoppings já foram convertidos em polos de logística em expansão. Em Memphis, Tennessee, por exemplo, uma loja fechada do Sam’s Club agora abriga um centro de atendimento de comércio eletrônico do Sam’s Club.

 

Ainda assim, existem obstáculos em pegar um antigo espaço de varejo e transformá-lo em um armazém, por exemplo, alertou Meyer. “Há questões como como leis de zoneamento, especialmente para os casos de áreas residenciais”, disse. Para ele, existem muitos aspectos envolvidos, por isso, são mudanças que requerem preparo e estratégia.

 

Fonte: CNBC.

 

Confira a live promovida pela Delage em que o tema desse texto foi bastante discutido. Assista aqui.



Deixe uma resposta